Airbus entrega o primeiro A350 e acirra disputa com Boeing

O avião, destinado a competir com os Boeing 777 e 787 Dreamliner, deve custar US$ 290 milhões
A fabricante de jatos comerciais Airbus Group apresentou nesta segunda-feira, 22, em Toulouse, na França, o primeiro exemplar de seu novo modelo, o A350-900, entregue à companhia aérea Qatar Airways.


O avião, destinado a competir com os Boeing 777 e 787 Dreamliner, deve custar US$ 290 milhões, preço de catálogo, menos do que os US$ 400 milhões do maior modelo da empresa, o A380. O objetivo da Airbus é reforçar sua posição contra a ofensiva da fabricante americana, na luta acirrada pelo posto de maior construtor mundial da aviação civil.

A entrega estava prevista para 13 de dezembro, mas foi adiada em nove dias em razão de acabamentos solicitados pela Qatar. O avião faz parte de uma nova família de aeronaves, XWB - “extra wide body” -, que será completada pelos Airbus A350-800 e A350-1000, com capacidades entre 300 e 369 passageiros.

Lançado em dezembro de 2008, o projeto consumiu oito anos entre decisões administrativas, desenho, testes, certificações e entrega em Toulouse, onde está sendo fabricado.


A exemplo dos Boeing 777 e 787 Dreamliner, Airbus investiu no uso de materiais compósitos - com componentes de propriedades físicas e químicas distintas - e na fibra de carbono com o objetivo de reduzir o peso total do aparelho e, com isso, o consumo de querosene de aviação.

Segundo dados da fabricante, o avião tem mais de 50% dos materiais de novas tecnologias, o que teria permitido uma redução de 25% do consumo. Além disso, a aeronave seria mais silenciosa e moderna, com menor nível de pressurização, o que abriu espaço para escotilhas maiores.

Pompa

A entrega do avião em Toulouse foi realizada com pompa pela Airbus, que deposita no A350 a expectativa de manter a liderança mundial em vendas de aparelhos. Em 2013, a companhia europeia recebeu um total de 1,5 mil encomendas, contra 1,3 mil da americana Boeing, confirmando a liderança que já dura mais de 10 anos graças ao sucesso comercial da família A320.

Porém a diferença entre as vendas de uma e outra vem caindo e, em 2014, o número de entregas da Boeing deve superar às de Airbus - 647 aviões contra 554 unidades.

Agora a disputa entre as duas companhias se intensificará pelos aviões de grande porte, que dividem espaço nos maiores hubs aeroportuários do mundo. Esse mercado é considerado crucial nos próximos 20 anos já tem um protagonista da rival: o 787 Dreamliner. Após atrasos sucessivos, panes elétricas, incêndios nas baterias de íons de lítio e proibição de voar por três meses, a aeronave da Boeing vem ganhando espaço.

Para evitar os mesmos problemas técnicos que brecaram a companhia americana, a Airbus decidiu apostar por ora em baterias de pilhas de níquel cádmio, que são mais pesadas, mas consideradas mais confiáveis. Tudo para não dar margem a atrasos que prejudicassem o desempenho comercial da aeronave.

“Estamos falando de 5 mil aviões, o que é considerável, e cerca de US$ 1 trilhão”, avaliou à agência France Presse (AFP) Fabrice Brégier, diretor-executivo da Airbus, que ressaltou o “altíssimo nível de maturidade” de seu último lançamento. “Para o futuro da Airbus, é essencial.”

A lucratividade do projeto, porém, só deve acontecer a partir de 2019 ou 2020, quando a usina de Toulouse produzirá 120 aparelhos por ano. Segundo o grupo europeu, 800 encomendas do A350 já teriam sido assinadas.

Destas, 80 foram feitas pela Qatar Airways, que colocará o primeiro avião na rota entre Doha, no Catar, e Frankfurt, na Alemanha, a partir de 15 de janeiro. Até aí segue a concorrência. Rival no Golfo Pérsico, a companhia Etihad Airways, dos Emirados Árabes Unidos, já assinou 71 pedidos de Dreamliners, com os quais vai realizar a rota Abu Dhabi-Frankfurt a partir de 1º de fevereiro.

Boeing

A Air China anunciou ontem que assinou um acordo para a encomenda de 60 jatos Boeing B737 pelo preço total de US$ 5,9 bilhões. As aeronaves serão entregues entre 2016 e 2020 segundo o acordo, que foi revelado em um documento enviado a reguladores pela Air China.

A encomenda surge quatro meses depois que a Boeing ganhou uma pedido por 80 aeronaves 737 da BOC Aviation, sediada em Cingapura.

A Boeing disse em setembro esperar que a China precise de mais de 6.020 aeronaves nos próximos 20 anos, um crescimento de 8% sobre a estimativa do ano passado para o período de duas décadas, conforme o crescimento de viagens de lazer ao exterior, impulsionando a demanda por aeronaves. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Fonte: Estadão via Exame

Comentários

Postagens mais visitadas