Pular para o conteúdo principal

A quem é lançado o "Desafio Ártico"?

De 16 a 27 de setembro irão ter lugar na região polar ártica, junto da fronteira russa, exercícios conjuntos das forças aéreas da Noruega, da Suécia, da Finlândia, dos EUA e do Reino Unido com o nome de código "Desafio Ártico 2013" (Arctic Challenge 2013). 




Segundo o planejado, essas manobras deverão demonstrar a capacidade de um rápido aumento da presença das forças aéreas dos EUA e seus aliados no Ártico. Além disso, os exercícios indicam que a chamada cooperação em defesa dos países nórdicos (NORDEFCO) é na realidade uma forma expedita para atrair a Suécia e a Finlândia para uma aliança militar com os Estados Unidos.

Os exercícios "Desafio Ártico 2013" se tornaram nas maiores manobras deste ano na Europa. Há muito tempo que não se juntava um contingente aéreo tão grande no norte da Europa: 10 F/A-18C finlandeses, 10 F-16C noruegueses, 22 JAS-39 suecos, 30 F-15 estadunidenses, 6 caças britânicos Typhoon, dois reabastecedores norte-americanos KC-135 e um avião de AWACS E-3C da força aérea conjunta da OTAN.


A temática de um rápido aumento de uma presença aérea junto das fronteiras da URSS era uma das principais nos exercícios do período da Guerra Fria. As maiores manobras dessa série eram os exercícios regulares Reforger, em cujo âmbito a Força Aérea dos EUA realizava os seus exercícios Crested Cap em que treinava o reposicionamento de aviação tática do território dos EUA para o continente europeu. Contudo, ainda estamos longe da escala usada na Guerra Fria: os exercícios daquele tempo cobriam um território desde a Itália até à Noruega e envolvia dezenas de bases aéreas e muitas centenas de aviões de combate e de apoio.

No entanto, o próprio fato de essas manobras serem retomadas demonstra que as ideias de uma confrontação militar não desapareceram. A diferença mais preocupante entre os exercícios atuais e os anteriores parece ser a participação de forças aéreas de países da OTAN em conjunto com as de países neutros como a Suécia e a Finlândia. Não pertencendo à OTAN, esses países colaboram com a Aliança Atlântica com cada vez maior frequência. Aliás, a Suécia já era de facto um parceiro da Aliança ainda durante a Guerra Fria, mas já a transformação da Finlândia de vizinho amigo em inimigo potencial não pode deixar de preocupar.


Essa definição de “inimigo potencial” faz aqui bastante sentido. Para as forças aéreas da OTAN não existem no Ártico outros alvos além dos que se encontram em território da Rússia, na sua área marítima e no seu espaço aéreo. O mesmo, aliás, se aplica à Rússia. Nos últimos anos ambas as partes medem as suas forças com cada vez maior frequência. Ambas tentam esconder a confrontação com terminologia cautelosa como sendo “desafios regionais”, mas sabendo, tanto uns como os outros, o que se passa na realidade e sabem que o adversário também o entende da mesma forma. O aumento recíproco das capacidades militares no Ártico é uma consequência inevitável do aumento das contradições entre a OTAN e a Rússia, e nisso as contradições aparentes, a Síria, o Irã, os direitos humanos e outros problemas, desempenham um papel mínimo. O grande trunfo no Ártico é o próprio Ártico, uma região plena de recursos, e a competição por esses recursos não irá depender da ideologia que professam os adversários.

O "Desafio Ártico" é realmente um desafio. Setenta e oito aviões de combate com o apoio de um E-3C e dois KC-135 são uma força importante e capaz de provocar grandes danos a um adversário não preparado. Essa é apenas uma parte do agrupamento que a OTAN pode mobilizar para o Ártico. Nessa situação, o aumento na região da infraestrutura militar russa se torna num passo cada vez mais atempado. A prevenção para repelir um ataque potencial é mais barata que uma possível derrota.

Comentários

Postagens mais visitadas