ANA quer ser ressarcida com dinheiro pela Boeing

Maior cliente do jato 787 Dreamliner não aceitará descontos em futuras compras como compensação pela suspensão das operações com a aeronave

Avião 787 Dreamliner, modelo da Boeing, da companhia aérea japonesa All Nippon Airways
Avião 787 Dreamliner da All Nippon Airways: aeronave foi suspensa após incidentes separados com a bateria em um aeroporto dos Estados Unidos e num vôo doméstico no Japão(REUTERS/Shohei Miyano)

Tóquio - A All Nipon Airways, maior cliente do jato 787 Dreamliner da Boeing, quer compensação em dinheiro da fabricante de aviões, em vez de descontos em futuras compras, pelas perdas acumuladas desde que as operações com a aeronave foram suspensas ao redor do mundo em meados de janeiro, disse uma fonte próxima do assunto.

Todos os 50 Dreamliners foram paralisados há dois meses após incidentes separados com a bateria do avião em um aeroporto dos Estados Unidos e num vôo doméstico no Japão. A ANA opera 17 dessas aeronaves e provavelmente é a mais atingida por ter os aviões fora de serviço. A companhia aérea cancelou mais de 3,6 mil vôos até o fim de maio.

"A ANA prefere receber dinheiro", disse a fonte próxima das intenções da companhia aérea japonesa, acrescentando que a negociação por compensações com a Boeing ainda não começou.

"Isso não é algo que nós divulgamos", disse o porta-voz da ANA Ryosei Nomura. "Nada foi decidido a respeito de futuras conversas com a Boeing." A Boeing ainda não informou se vai compensar as companhias aéreas pela perda de receita por causa da paralisação dos 787. A companhia também não indicou como fará isto ou o quanto poderia pagar. Convencer clientes a aceitar descontos em compras futuras permitiria à Boeing dispersar os custos de reembolso ao longo de vários anos. As companhias aéreas, porém, podem considerar a compensação em dinheiro como uma maneira mais rápida de recuperarem as perdas.

A Boeing não comentou o assunto. "Há um foco em devolver estes aviões ao serviço. Nossos clientes querem isso e estamos trabalhando duro para conseguir", afirmou o porta-voz Marc Birtel.

As companhia aéreas recebem garantia sobre os 787, que, apesar de cobrir reparos, não obriga a Boeing a compensá-las por perda de negócios.



Fonte: EXAME

 

Comentários

Postagens mais visitadas