Aéreas negociam revisão na fórmula de preço de querosene



Brasília - As empresas aéreas querem que o governo revise a fórmula de precificação do querosene de aviação como forma de reduzir os custos e dobrar as vendas de passagens até 2020, afirmou nesta segunda-feira o presidente da Associação Brasileira de Empresas Aéreas (Abear), Eduardo Sanovicz.

A entidade prevê transportar 200 milhões de passageiros em 2020, quase o dobro de 2012. Para a Abear, o combustível representa cerca de 43 por cento do custo da passagem.

"A proposta é rever a fórmula de precificação num debate técnico", explicou Sanovicz a jornalistas, após participar de reunião com a presidente Dilma Rousseff para apresentação de propostas e metas do setor.

"O que nós pedimos é para abrirmos uma mesa de diálogo com um conjunto de unidades envolvidas no tema - a Petrobras, o Ministério da Fazenda, o Ministério da Justiça, a Secretaria de Aviação Civil e o Ministério do Meio Ambiente", disse.



Slots de Congonhas


Sanovicz defendeu ainda a posição da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) na polêmica sobre o sorteio de slots no aeroporto de Congonhas - a agência reguladora e a Secretaria de Aviação Civil (SAC) possuem propostas diferentes sobre mudanças nos critérios de distribuição.


Fonte: EXAME

Comentários

Postagens mais visitadas